domingo, 20 de julho de 2008

A bênção da aceitação

Assim, como a criança desmamada fica quieta nos braços da mãe, assim eu estou satisfeito e tranqüilo, e o meu coração está calmo dentro de mim.”
(Sl 131.2)

A mãe de João Pedro tem dormido muito pouco. Duas vezes na noite seu sono é interrompido para amamentar o filho. É raro uma criança passar dos oito meses ainda desfrutando do leite materno. João Pedro tem esse privilégio. Sem abrir mão desse desejo, ele não se cala enquanto a mãe não o sacia. O que ele não sabe é que a mãe tem que, diariamente, pagar o preço de trabalhar sonolenta e ainda ouvir piadas dos colegas.

Somos muitos parecidos com João Pedro (JP). Vivemos sempre dependendo do atendimento de nossos infindáveis desejos para nos sentirmos felizes. Porém, diferentemente daquela que deu à luz JP, a mãe vida quase sempre substitui o mimo aos nossos caprichos pela oportunidade de aprendermos que, no lugar de leite materno, precisamos do alimento sólido dos desafios para crescermos como pessoa.

Por isso, pare de querer ser deus e ter o controle de tudo em suas mãos. Admita suas lutas, fraquezas e vulnerabilidades. Troque os sentimentos de superioridade (ou inferioridade) pela aceitação de sua singularidade (e dos outros também) no mundo. Aprenda a ser grato valorizando mais o muito que você já possui. E não permita que nada, além de Deus, ocupe o lugar que há reservado para Ele em seu coração.

Enquanto isso, continuarei acompanhando o crescimento de JP. É certo que daqui a algum tempo ele mesmo achará mais importante não perder um minuto do precioso sono noturno. E a mãe agradecerá, sabendo que, no dia seguinte, precisará de uma disposição renovada para ajudar em outras tantas necessidades que o filho ainda precisará para se desenvolver.

2 comentários:

Raquel disse...

Canito, obrigada pelas palavras. Gostaria de acrescentar meu testemunho...

Para quem não tem flhos, essa
mensagem pode parecer um sacrifício diário, contudo acredite: poder amamentar o JP ainda aos 10 meses é uma benção. Olhar para aqueles olhinhos enquanto ele desfruta do leite quentinho, que ele julga ser o melhor mundo, é o momento mais mágico que Deus propocia diariamente na minha vida. O sono e cansaço não chegam perto da satisfação que tenho neste momento. Sei que chegará o momento dele parar...mas até lá vou curtindo o JP e as minhas ressacas.

Anônimo disse...

Canito e Raquel,

Parabéns pelo texto. Acho que a Raquel já descobriu que filho é a maior benção que Deus pode nos dar. Com certeza todos os sacrifícios são mínimos quando comparados com as alegrias que estes pequenos nos trazem. Sinto saudades de vocês do Banco e das nossas terças-feiras, momento de reflexão e alegria na presença de Deus.

Abraços do amigo Orlando Barbosa